Portal de Paulinia | O seu Jornal on-line

Ter18062019

Entrar emCONTATO

Back Saúde Bem-Estar Entenda melhor a distração e o déficit de atenção

Entenda melhor a distração e o déficit de atenção

 Cuidado: compreenda melhor a distração e falta de atençãoMuitas pessoas executam várias tarefas sem prestar atenção no que fazem. Porém existe um limite entre a pura e simples distração e o déficit de atenção (TDAH).

O problema nem sempre está associado à hiperatividade.  O quadro pode ser dividido em três tipos: predominantemente desatento, o predominantemente hiperativo-impulsivo e o combinado (que mistura os dois outros).

O principal sintoma é quando a falta de atenção começa a atrapalhar o dia a dia. Por exemplo, quando a pessoa não consegue se concentrar de forma alguma em uma tarefa importante que exige atenção.

De qualquer forma, existem alguns critérios para o diagnóstico: no caso do TDAH tipo desatento, o adulto ou a criança precisam apresentar, no mínimo, seis características marcantes de falta de atenção, como dificuldade de concentração em uma aula ou palestra, problemas de memória de curto prazo e facilidade para desviar a atenção de uma tarefa. Em caso de desconfiança desse tipo de diagnóstico,  consulte um psiquiatra ou psicólogo para fazer o teste completo.

Normalmente o déficit de atenção surge na infância, e dois terços delas costumam levar o problema para a idade adulta. Nas crianças os sintomas são um pouco diferentes do que nos adultos, por exemplo a crinça pode perder o interesse pelos estudos e até pela escola, uma vez que ela comete muitos erros por distração, não entende direito o que é falado.

CAUSAS

A distração pode ser causada por diversos tipos de fatores. Ter muitas coisas em mente  tira o foco. Mas fatores como fome,problemas complexos e um simples sapato apertado podem tirar a atenção.

Porém uma pessoa diagnosticada com déficit de atenção, nem sempre a distração terá uma razão. Pessoas com déficit de atenção normalmente tem o cotidiano afetado pelo problema - tanto que esse é um dos critérios de diagnóstico.

O distraído também precisa tomar cuidados: Se a pessoa não presta atenção ao trânsito, por exemplo, já que dirigir é um dos atos de memória implícita, ações causadoras de acidentes podem acontecer, como passar um sinal vermelho ou não perceber uma ultrapassagem. Muitas vezes uma mudança na rotina pode ser esquecida. Isso que acaba sendo a causa de pais esquecerem as crianças no carro, por exemplo.

Fazer exercício físicos, parar e reservar um tempo para se organizar, pode ajudar e principalmente entender que se está afetando o dia a dia, a pessoa deve procurar ajuda médica de um psiquiatra para identificar o real problema e tratar corretamente.


Entenda melhor a distração e o déficit de atenção