Portal de Paulinia | O seu Jornal on-line

Qui19102017

Entrar emCONTATO

Back Região Notícias Unicamp monta contêineres ao lado de hospital para aumentar combate a dengue

Unicamp monta contêineres ao lado de hospital para aumentar combate a dengue

Unicamp monta contêineres ao lado de hospital para aumentar combate a dengueCom mais de 26 mil casos de dengue e quatro mortes  confirmadas pela doença  em Campinas, o Hospital de Clínicas da Unicamp Campinas colocou dois contêineres em frente ao prédio da UER (Unidade de Emergência Referenciada) para atender pacientes com sintomas da dengue.

A estrutura também é alternativa para prestar serviços médicos a pessoas com outras doenças porque o prédio oficial da UER, fechado desde janeiro para reforma, reabrirá apenas em julho sendo que o prazo inicial era maio.

O atendimento nos contêineres, que contam com enfermeiros e médicos, estão organizado em dois tipos de procedimentos, segundo a Unicamp: um deles servirá de recepção para acomodar aproximadamente 20 pessoas sentadas. No outro espaço haverá equipe preparada para realizar o primeiro contato com o paciente que chegar. Os dois contêineres têm ar-condicionado e são cobertos por tenda para minimizar os impactos do clima.

No segundo contêiner, a pessoa é recebida, passa por triagem com médico e enfermeiro e é orientada pela equipe sobre como prosseguir com o tratamento, dependendo da classificação do caso. Se for constatada suspeita de dengue, o paciente é levado para uma área de hidratação localizada no terceiro andar do HC.

A UER do HC da Unicamp está passando por reformas desde o dia 12 de janeiro. A unidade seria reaberta em maio, mas o prazo precisou ser ampliado para mais 60 dias porque outros serviços foram incluídos.

O hospital orienta que casos menos graves podem ser remanejados para unidades básicas de saúde ou algum pronto atendimento. Hoje, 70% dos atendimentos diários são de pacientes de baixa e média complexidade.

Classificação de Risco como já adotado em hospitais particulares:

Verde: O paciente é classificado como prioridade dois, pois não há urgência.

Amarela: O paciente precisará de atendimento rápido, mas não corre risco de morrer imediatamente. Ele é classificado como prioridade um.

Azul: São consultas de baixa complexidade e são atendidos depois dos classificados como cores vermelha, amarela e verde. Esses podem até ir para unidades básicas de atendimento.

Vermelho: O paciente deve ser atendimento imediatamente. São casos de parada cardiorrespiratória, acidentes graves, AVC, choques, insuficiência respiratória, traumas, ferimentos de armas de fogo.


Unicamp monta contêineres ao lado de hospital para aumentar combate a dengue