Portal de Paulinia | O seu Jornal on-line

Ter18062019

Entrar emCONTATO

Back Futebol Notícias "Gaivotas Fiéis" pode ter que enfrentar sua fonte de inspiração na justiça

"Gaivotas Fiéis" pode ter que enfrentar sua fonte de inspiração na justiça

 

De acordo com informações, a torcida organizada do Corinthians Gaivotas Fiéis – direcionada para o público gay, lançada recentemente, pode ter que enfrentar sua fonte de inspiração na justiça.

A Gaviões da Fiel, maior organizada do clube paulista, entrou com uma petição na Justiça, em que requer a instauração de um inquérito para investigar possíveis irregularidades nas marcas utilizadas pela nova agremiação.

As declarações se baseiam na óbvia semelhança entre os nomes das torcidas, mas também no fato de o símbolo da Gaviões - um gavião com as asas abertas, segurando o escudo do clube com as garras - parecer ter sido a base do novo símbolo: uma gaivota com asas abertas, pousada em um espelho com a marca do escudo corintiano.

As diferenças ficam por conta da bandeira do estado de São Paulo representada nas cores das bandeiras LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transsexuais e Transgêneros), além dos remos do Corinthians serem 'substituídos' por pinceis de maquiagem.

A denúncia foi apresentada no 1º Distrito Policial de Guarulhos, e o assistente da unidade, delegado Fulvio Mecca, informou que a investigação está em curso. A petição cita que a Gaivotas teria desrespeitado a propriedade industrial, de acordo com o artigo 189, inciso 1º, segunda parte da Lei nº 9.279/1996 dos Crimes Contra Marcas. Mecca confirmou que as duas partes serão chamadas para depor.

O criador da Gaivotas, Felipeh Campos, negou a acusação.

"Em primeiro lugar: o distintivo do Corinthians não é da Gaviões. Não é de torcida nenhuma. Eu posso usar o distintivo da forma que quiser. Eu não estou copiando nada. Não é um gavião é uma gaivota", ainda deixando uma provocação. "Eles querem meu pincel emprestado? Eu empresto".

O fundador ainda classificou de hipocrisia a preocupação da Gaviões com o que chamou de "coisa pequena".

"Não foi um plágio. O jurídico da Gaviões devia tomar cuidado com agressões nos estádios. Consultei um advogado, a torcida que criei tem até estatuto”.